Portal Ucraniano
TPUK - Sociedade dos Amigos da Cultura Ucraniana
TPUK - Sociedade dos Amigos da Cultura Ucraniana:
Rua: Brigadeiro Franco,374
CEP: 80430-210
Bairro: Mercês
Cidade: Curitiba - PR
Fone: +55 (41) 3335-1220
Email: tpuk@onda.com.br
Canções Folclóricas Ucranianas
As canções folclóricas ucranianas são obras que permanecem na memória das pessoas e são passadas oralmente.
É uma tradição ucraniana que o TPUK está resgatando.
Todas as segundas e quartas-feiras de cada mês em nossa sede. 20h.
Dias e horários de 2016.
08 de abril - 20h 12 de agosto - 20h
29 de abril - 20h 26 de agosto - 20h
13 de maio - 20h 09 de setembro - 20h
27 de maio - 20h 23 de setembro - 20h
10 de junho - 20h 14 de outubro - 20h
25 de junho - 20h 28 de outubro - 20h
08 de julho - 20h 11 de novembro - 20h
22 de julho - 20h 25 de novembro - 20h



Informativos
Ano: 2010
Informativo 015/2010
Ano: 2009
Informativo 014/2009
Informativo 013/2009
Informativo 012/2009
Informativo 011/2009
Ano: 2008
Informativo 010/2008
Informativo 009/2008
Informativo 008/2008
Informativo 007/2008
Informativo 006/2008
Informativo 005/2008
Ano: 2007
Informativo 004/2007
Informativo 003/2007
Informativo 002/2007
Informativo 001/2007


 
Discurso proferido pelo Sr. Mariano Czaikowski, Cônsul Honorário da Ucrânia em Paranaguá, durante a Comemoração do Jubileu dos 60 anos de fundação do TPUK, no salão da Socidedade dos Amigos da Cultura Ucraniana, em Curitiba, Paraná, no dia 20 de outubro de 2007.

Senhor Presidente da Sociedade dos Amigos da Cultura Ucraniana Marcos Nogas!
Autoridades civis e religiosas já nominadas.
Senhoras, Senhores, Jovens, amigos da cultura ucraniana!

Estamos reunidos para a comemoração do Jubileu de 60 anos de fundação da Sociedade dos Amigos da Cultura Ucraniana ocorrida em 7 de julho de 1947.

A convite da Diretoria cabe-me a honrosa tarefa de compartilhar com vocês alguns dados sobre estas seis décadas vividas pela nossa Sociedade, tão ricas de contribuições relevantes para a divulgação e preservação da cultura ucraniana e dos valores trazidos da Ucrânia para o Brasil pelos emigrantes, muitos nossos antepassados, familiares, mestres, amigos.

Como há muito de que falar, tratarei de concentrar as informações consideradas mais relevantes buscando responder basicamente às seguintes três questões:




I - Em que momento histórico e com que finalidade surgiu a nossa Sociedade?
II - Como ela funcionou durante estes anos?
III - Qual a sua função hoje?
I - Buscando responder à primeira questão, para entendermos como e porque foi fundada nossa Sociedade, é importante reavivarmos um pouco nossos conhecimentos de história geral e do Brasil e imaginarmos um cenário conjugando a conjuntura mundial após o término da 2ª grande guerra e o fim da ditadura de Getúlio Vargas, do chamado 'Estado Novo' aqui no Brasil.
Na cena mundial, com o fim da Guerra em 1945, havia entre outras, a tragédia dos fugitivos, e no nosso caso principalmente dos fugitivos de guerra ucranianos. É bom lembrar que no início da guerra em 1939 mais de dois terços da Ucrânia, ou seja a parte oriental e central já integravam a União Soviética, mantendo-se ali a prevalência do domínio russo ainda do tempo dos czares e a parte ocidental estava sob o domínio da Polônia, aproximadamente do ano 1920, desde logo após a queda do Império Austro-Húngaro e a breve independência com a criação da República Popular da Ucrânia.

Com o início da 2ª Guerra mundial, os alemães invadiram a Polônia e a seguir ocuparam inicialmente a parte ocidental da Ucrânia, seguindo então até ao centro, até à capital Kyiv.

Com o fim da guerra em 1945 e a derrota dos alemães, também a parte ocidental da Ucrânia foi ocupada pelo exército vermelho e passou a integrar a União Soviética.

Com isso milhares de famílias de patriotas ucranianos, políticos e revolucionários, membros do Exército Ucraniano de Libertação, anti-comunistas e anti-soviéticos, tiveram que fugir para o ocidente, inicialmente para a Europa Ocidental e daí muitos reemigraram para os Estados Unidos e Canadá, alguns para a América do Sul, também para o Brasil.

Em torno de 1947 chegaram aqui muitos destes fugitivos de guerra, ucranianos cultos e politicamente engajados. A comunidade daqui tinha como missão acolhê-los, auxiliá-los e criar espaço para eles.

Por outro lado, durante o Estado Novo, da Ditadura de Getúlio Vargas, a comunidade ucraniana sofreu o desatino e as injustiças do chamado nacionalismo brasileiro, isto de 1939 até o fim de 1945, quando era praticamente proibido ser estrangeiro aqui no Brasil. Houve grande perseguição com abusos absurdos contra emigrantes, contra sua cultura e língua, foram fechadas escolas, clubes, sociedades tiveram que mudar suas características e seus objetivos, inclusive suas denominações.

Assim as principais organizações existentes na comunidade ucraniana ficaram bastante desarticuladas e com dificuldade de apoiar adequadamente às necessidades e anseios patrióticos, culturais e sociais dos ucranianos e da sua pátria mãe. E é justamente após esse período de verdadeiro terror contra a cultura estrangeira, inclusive a ucraniana, que vêm integrar-se à nossa comunidade os novos emigrantes, fugitivos de guerra ucranianos.

Em 6 e 7 de julho de 1947 as lideranças da comunidade ucraniana no Brasil reuniram-se aqui em Curitiba, na Rua Visconde do Rio Branco, 557, esquina com a Rua Martin Afonso, na antiga sede da então União Agrícola Instrutiva, hoje Sociedade Ucraniana do Brasil. Reuniram-se no que chamaram "?????????????? ??????? ? ????????", Congresso Panucraniano no Brasil, para debater os novos rumos da comunidade, agora já com novo alento, pois a partir de 1946 já era Presidente Eurico Gaspar Dutra, e as perspectivas para os estrangeiros começavam a melhorar.

Neste Congresso foi decidido criar uma nova Organização, que foi denominada inicialmente, pasmem: "Representação Central dos Ucranianos no Brasil - Sociedade dos Amigos da Cultura Ucraína". Não temos transcrita em livro a ata deste Congresso, não obstante já no dia 9 de julho, na 1ª reunião da Diretoria eleita da nova organização o seu presidente cobrasse dos secretários que concluíssem e transcrevessem a ata no livro próprio, mas isso acabou não sendo feito. Contudo, dois anos após, realizou-se o 2° Congresso dos Ucranianos no Brasil, e em sua ata consta que o presidente do Congresso Pe. Nicolau Ivaniv na abertura disse: "Já se passaram dois anos de quando em 7 de julho de 1947 realizou-se o 1° Congresso dos Ucranianos no Brasil, no qual estavam representadas todas as nossas comunidades. Nesse Congresso foi eleita a Representação dos Ucranianos e lhe foi dada a denominação de "Sociedade dos Amigos da Cultura Ucraína".

Como documento oficial da fundação da nossa Sociedade temos aqui cópia autenticada de registro no 1° ofício de Registro Civil de Pessoas Físicas, Títulos e Documentos de Curitiba, dos Estatudos da Sociedade, efetuado em 1947, sob o n° 343, no Livro n° 2.

Qual era a sua finalidade? No artigo 1° desses estatutos lemos: "A Sociedade dos Amigos da Cultura Ucraína, fundada em 7 de julho de 1947, com sede em Curitiba, Estado do Paraná, é uma entidade civil, de duração indeterminada, tendo por objetivo principal promover o estreitamento das relações culturais entre o Brasil e a nação Ucraína, mediante a divulgação recíproca dos cabedais da cultura de ambos os países, auxiliando dessa maneira indireta a libertação do povo ucraíno".

E o artigo 2° esplicita: "Para alcançar esta finalidade, a Sociedade promoverá entre outras atividades, as seguintes:

a) realização de cursos, competições, conferências, palestras, reuniões, concertos, representações teatrais, incluisive o ensino da língua e literatura de ambos os países;
b) divulgação por todos os meios, de obras científicas, literárias e artísticas, e artigos sobre instituições culturais brasileiras e ucraínas;
c) organização de uma biblioteca e sala de leitura;
d) promoção do melhor conhecimento do Brasil e coisas brasileiras mormente entre os ucraínos residente no Brasil, e, igualmente, melhor divulgação da cultura ucraína entre os brasileiros.
e) recepção dos imigrantes ucraínos, que vierem ao Brasil, facilitando-lhes o pleno conhecimento do meio nacional brasileiro, mantendo para tal fim comissões permanentes especializadas".

Neste mesmo registro consta a relação dos membros da 1ª Diretoria eleita, composta de 10 membros, tendo como presidente o Padre Nicolau Ivaniv, imigrante ucraniano, 1° Vice-Presidente Procópio Morkotun, imigrante ucraniano, 2° Vice-Presidente: Engenheiro Serafim Voloschen, imigrante ucraniano, 1° Secretário Simão Retcka, brasileiro, 2° Secretário Elias Horatchuk, brasileiro, 1° tesoureiro Dr. João Martenetz, brasileiro, 2° Tesoureiro Alexandre Kolodensky, imigrante ucraniano, e 3 conselheiros fiscais: Julio Sessak, brasileiro, Padre Irenarco Malanhak, ucraniano e Nadia Schulhan, brasileira.

Consta também no registro "Relação de Sócios Fundadores". Constam ali 50 nomes. A aí vêm as supresas: entre outros, ali consta o nome de Pedro Nogas, justamente o avô do nosso atual presidente Marcos Nogas.

Mas o mais supreendente é que entre os fundadores alí no longínquo ano de 1947 consta também o nome de Lauro Preima, que ainda reside aqui em Curitiba e lamentavelmente não pode comparecer hoje a esta comemoração.

II - Como nossa Sociedade funcionou durante estes anos?

Nos primeiros estatutos já constava que além da sede em Curitiba, a sociedade teria "uma seção na Capital do Estado de São Paulo e filiais onde se tornar necessário".

Inicialmente a Sociedade funcionava como Central com caráter de representação central dos ucranianos daqui. Tanto é que logo após sua fundação, já em 1947 enviou membros da sua diretoria como delegados da comunidade para a Conferência Pan-americana dos Ucranianos em Nova Iorque, onde tratou-se principalmente do problema da ajuda aos novos emigrantes, fugitivos de guerra, e também defendeu os interesses da comunidade perante organizações internacionais e autoridades brasileiras, organizou congressos da comunidade.

Mas a atuação da Sociedade na comunidade local dava-se por meio das filiais. De fato foram criadas inúmeras filiais, inclusive em Curitiba, e também em Ponta Grossa, Porto Alegre, Mallet, Antonio Olinto, União da Vitória, Prudentópolis e em suas diversas colônias, em Pitanga, Pato Branco, Wenceslau Braz, Colônia Marcelino, etc.

Em Curitiba a Sociedade funcionava inicialmente no salão paroquial da Igreja ucraniana na rua Martin Afonso, onde promovia reuniões, cursos, palestras, academias, comemorações e usava inclusive o salão do Colégio das Irmãs Servas da Imaculada para apresentações teatrais.

Temos num livro antigo a relação dos primeiros sócios da filial aqui de Curitiba. E ali encontramos uma nova supresa: entre outros, ingressou como sócio na nossa sociedade no dia 06 de fevereiro de 1949 o jovem Volodemer Galat, que está aqui entre nós e o convidamos para nos contar em breves palavras sobre a atividade da Sociedade de então. [Depoimento do Eng. Químico Volodemer Galat].

Consta ali também que em 1° de fevereiro de 1950 ingressaram como sócios também o Professor Nicolau Hec, já falecido, que seria por longos anos seu presidente, e o então jovem advogado Dr. José Dilai, que está presente aqui entre nós e a quem solicito uma salva de palmas. Consta alí também que entrou como sócia no dia 7/04/1954 Lesia Posatzkyi, esposa do Sr. Galat. Isso para mencionar alguns dos primeiros sócios, que chegavam a centenas.

Em 1956, sob a presidência do Dr. José Dilai, foi adquirido o terreno aqui na Brigadeiro Franco, para a sede própria.

Em 1960 o engenheiro Rafael Kulitzkyi fez o projeto da sede própria. A construção foi iniciada em 11.06.1960, tendo como mestre de obras o Sr. Miguel Hrebinnik, pai do nosso ex-presidente Jeroslau Hrebinnik. Já em outubro de 1960, 5 meses depois, realizou-se a primeira reunião, sob o novo teto.

Neste período muito trabalhou e ajudou na construção outro jovem, que está aqui presente, a quem convidamos que nos diga algumas palavras sobre o idealismo que os movia então, para tanta dedicação para a comunidade: é nosso amigo José Groxko, que também já foi presidente da nossa Sociedade. [Depoimento de José Groxko]

Do fim dos anos 60, durante os anos 70 e 80, o professor Nicolau Hec, alternava-se na presidência da sociedade com outros, mas dedicava-se totalmente a ela, estando quase que diariamente em sua sede.

Nisto cercava-se de colaboradores idealistas e eficientes, entre os quais destacaram-se, além de José Groxko, seus irmãos Guenho Groxko e Metódio Groxko, Nestor Kutenski, Emílio Gaudeda e outros.

Para preservar a memória histórica, o sr. Metódio, inclusive, coordenou a confeção de um vídeo, idealizado pelo Prof. Emílio Gaudeda, com entrevistas a este personagem até lendário: Prof. Nicolau Hec. Vejamos algumas cenas. [Video].

Nesse período, entre outras atividades, como organização de Congressos da Juventude Ucraniano-Brasileira, comemorações de datas importantes da história da Ucrânia, bailes, confraternizações, teatros, academias culturais, cursos de história e literatura ucraniana, sobressaiu a atividade editorial, em que nossa sociedade apoiou o trabalho competente e sério da Professora Wira Wowk Selanski, que aqui está entre nós, vinda especialmente do Rio de Janeiro, e que convidamos que nos diga algumas palavras sobre este trabalho tão importante e frutuoso. [Depoimento da Prof. Wira Wowk Selanski].

Dando sequência à nossa comemoração, faremos a entrega simbólica de livros, como doação para os Faróis do Saber, pela professora, escritora, poetisa e sócia benemérita desta casa, Sra. Wira Wouk Selanski, que mesmo residindo no Rio de Janeiro, nos dá a honra de sua presença neste dia. (entrega de um exemplar do livro "Viburno Rubro", simbolizando os mais de 750 livros destinados aos Faróis do Saber.)

Devemos ressaltar que é um grande número de livros que recebemos da Sra. Wira, e que os custeios de edição correram, muitas vezes por sua própria conta.

Prosseguindo gostaria de frisar que nossa Sociedade primou pelo apoio à cultura, inclusive com a concessão dos espaços para ensaios de grupos folclóricos e teatrais, inclusive para a peça teatral "Galileu Galilei", de B. Brecht, encenada no Teatro Guaíra, com o astro maior da dramaturgia brasileira, Sr. Paulo Autran, recentemente falecido.

A Sociedade também sempre empenhou-se pelo ensino da língua ucraniana. Por sugestão da sua Diretoria e atuação específica de seu membro Nestor Kutenski, Chefe de Gabinete da então deputada Vera Witchemichen Agibert, esta apresentou emenda à Constituição do Estado do Paraná e obteve sua aprovação, o que dá condições legais ao Estado de prover o ensino gratuito de línguas estrangeiras modernas nas escolas públicas estaduais, no idioma étnico que seja de interesse da respectiva maioria de alunos que as frequentam.

Todas as atividades da nossa Sociedade sempre foram de cunho cultural e assistencial e sem fins lucrativos, o que nos possibilitou a obtenção do título de "Utilidade Pública" estadual, cujo projeto também foi apresentado para deputada Vera, a quem hoje expressamos os nossos melhores agradecimentos.

Merece especial destaque também um programa de orientação e auxílio ao pequeno agricultor, que nossa Sociedade promoveu, principalmente sob a liderança do Nestor Kutenski, com o apoio político da então Deputada estadual Vera Witchemichen Agibert. Junto com a Diretoria da Representação Central Ucraniano Brasileira participamos na fundação de diversas Associações de Pequenos Agricultores nos municípios de Prudentópolis, Irati e Rebouças, e intermediação para angariar fundos afins.

Para isso inclusive foi fundado aqui o Instituto de Florestas Tropicais, que propiciou apoio técnico aos agricultores inclusive auxiliou na obtenção de fundos e apoio governamental, também na construção de viveiros de mudas para reflorestamento e para plantio de erva mate, entre outros, isso com cooperação decisiva da Secretaria Estadual do Meio Ambiente, principalmente quando era seu Secretário Dr. Vitório Sorotiuk, bem como da Secretaria de Estado da Agricultura e o relevante apoio financeiro da Fundação Bishop Budka de Alberta, Canadá, liderada pelo nosso grande amigo Vassil Daciuk. Destaque-se também o apoio que sempre tivemos do então Prefeito do Município de Irati, Dr. Felipe Lucas, hoje Deputado estadual e de sua esposa Sra. Marisa Lucas, hoje Vice-Prefeita de Irati, presentes aqui entre nós, a quem solicito uma calorosa salva de palmas.

No mais, nossa Sociedade sempre deu apoio total às atividades da Representação Central Ucraniana Brasileira, em prol da defesa dos interesses da etnia ucraniana e da preservação dos valores culturais da nossa pátria mãe.

Foram os seguintes os presidentes do TPUK:

Pe. Nicolau Ivaniu - Fundador +
Pe. Melécio Kaminski - Fundador +
Dr. José Dilai +
Sr. Miguel Horduchenski +
Sr. Nicolau Hec +
Sr. José Susla
Sr. José Groxko
Sr. Nestor Kutenski +
Sr. Jaroslaw Hrebinnik
Sr. Israel Kravetz
Sr. Marcos Nogas

III - Qual a função da nossa Sociedade na atualidade?

O ideal que movia os fundadores da nossa Sociedade ainda nos move hoje. A divulgação da cultura ucraniana e de sua história, bem como a defesa dos valores étnicos ucranianos perante a sociedade brasileira continua sempre nosso grande objetivo.

À medida que os tempos mudavam, os estatutos eram alterados, sofrendo correções de rumo.

Na versão atual dos estatutos consta como denominação oficial "Sociedade dos Amigos da Cultura Ucraniana" e o uso da sigla TPUK - que são as iniciais de sua denominação em língua ucraniana: "Tovarêstvo Prychýlhnykiv Ukraínskoi Kultúry".

Conforme o Artigo 1° de seu Estatutos atuais, "é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, de caráter cultural e de assistência social e visa promover o conhecimento da cultura ucraniana e brasileira e propiciar apoio ao desenvolvimento social, econômico e cultural das localidades onde radicam comunidades ucranianas no Brasil."

As diversas modalidades para a realização destes objetivos são objeto de periódicas reuniões de diretoria, que estipula uma agenda de atividades e as vem executando com afinco.

Assim temos tido palestras, cursos, jantares, comemorações, participação em eventos promovidos também pela Representação Central Ucraniano Brasileira, que sempre conta com nosso apoio.

A nova diretoria tem procurado estimular a participação de novos membros, principalmente jovens, que possam levar adiante, repetir e ampliar as grandes conquistas obtidas pela Sociedade nestas gloriosas seis décadas de sua existência.

O mais importante, contudo, parece ser, o clima de amizade que tem unido e deve continuar unindo seus membros entre si e ser voltado para todos a quem a cultura ucraniana desperta interesse e representa um ideal e um valor a ser conhecido, admirado, preservado e divulgado.

Isto deve ser nosso diferencial: procurar ser bons para todos para estimular uma ótima convivência e a integração dos valores culturais do Brasil e da Ucrânia!

Somos e queremos ser e sempre seremos uma Sociedade de amigos, e principalmente amigos da cultura ucraniana!

Parabéns TPUK pelo seu jubileu. Parabéns pelos seu 60 anos de vida! Ou como dizemos em ucraniano: na mnóhi lita! Que se mantenha, cresça e atue por muitos e muitos anos!

Discurso: Mariano Czaikowski, Cônsul Honorário da Ucrânia em Paranaguá.